sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Yunes tenta jogar Padilha no fogo para salvar seu amigo Michel Temer

O jornalista Josias de Souza escreve esta manhã no UOL, que a conversa de Yunes com os procuradores do MPF e com os jornalistas de Veja é mentirosa, visando proteger Michel Temer. Ele acusa Padilha de modo mentiroso para proteger seu amigo presidente. Acontece que Padilha não entrou no jogo e nem entrará. 

Leia tudo:


Amigo de Michel Temer há 50 anos, José Yunes andava sumido desde dezembro de 2016, quando se exonerou do cargo de assessor especial do presidente. Bateu em retirada do Planalto amargurado: “Vi meu nome jogado no lamaçal de uma abjeta delação”, escreveu na carta de demissão. De repente, Yunes voltou à boca do palco. Prestou depoimento à Procuradoria e deu um par de entrevistas. Contou uma história inverossímil. Nela, assume o papel de bobo, empurra o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) para dentro da frigideira e se esforça para retirar o amigo Temer de um enredo criminoso.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

12 comentários:

Anônimo disse...

e se mentiu, tem de pagar pela mentira...

se nao tinha nada a ver com a delação, acho que arranjou um processo so pra si por ter ai, talvez, mentido à Justiça...

Anônimo disse...

kkkk, teve que escrever algo do corrupto amigo quadrilha.....kkkkkkk...não consigo parar de rir.......só faltou dizer que ele é inocente....que é culpa do pete, da dilma, lula...kkkkkk.

Anônimo disse...

Ah, o Padilha / Quadrilha, é mais ilibado do que Nossa
Senhora...

Anônimo disse...

pobres dos canarinhos paneleiros, tiraram a dilma, achando que resolveriam a questão de corrupção, acabaram entregando a nação para uma verdadeira quadrilha,que sempre roubou o brasil...

Anônimo disse...

Políbio ! Para de defender o PMDB !

Valoriza a tua história e caminhada ! Se afasta desta gente que junto com o PT destruíram o Brasil!

Anônimo disse...

Tem que jogar os dois no fogo e fechar bem a porta. Seria uma vitoria para o futuro do Brasil.
Dois figurões corruptos a menos

Anônimo disse...

Sinto cheiro de enxofre de petralha infiltrado.!!!

Anônimo disse...

YUNES: TEMER SABIA DE TUDO E PROPINA DA ODEBRECHT PAGOU 140 DEPUTADOS:

24/02/2017 - Brasil 247

O empresário José Yunes decidiu disparar um tiro no peito de Michel Temer; em entrevista ao jornalista Lauro Jardim, Yunes afirmou que Temer, seu melhor amigo, sabe que ele foi usado como "mula" por Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil; "mula" é um termo do tráfico de drogas que designa a pessoa usada para transportar drogas para terceiros; Yunes disse ter recebido Lúcio Funaro em seu escritório, a pedido de Padilha; no encontro, Funaro lhe contou que estava financiando 140 deputados para garantir a eleição de Eduardo Cunha à presidência da Câmara dos Deputados; Yunes decidiu falar depois que apareceu nas delações da Odebrecht; de acordo com o delator Cláudio Melo Filho, da propina de R$ 11 milhões acertada com Temer, R$ 4 milhões foram entregues no escritório de Yunes; Padilha acaba de se licenciar do cargo alegando razões médicas....

PS: Será que a Rede Globo e o JN, em especial, vão convocar os coxinhas? Obvio que não tanto a Globo como os coxinhas estão no mesmo barco.

Anônimo disse...

To começando a achar que o editor largou o traira de mão, ou seja, se nem o editor aguenta mais será que algum blogueiro do blog, leia-se, coxinha, vai culpar o PT, lula e Dilma pelos rolos do PMDB? Aí é demais.......

Anônimo disse...

Malafaia é indiciado pela PF por participar de esquema de corrupção

24/02/2017 - Brasil 247

O pastor Silas Lima Malafaia foi indiciado pela Polícia Federal por lavagem de dinheiro e participação num esquema de corrupção ligado a royalties da mineração; segundo documento da PF, Malafaia “se locupletou com valores de origem ilícita”; o indiciamento significa que a autoridade policial encontrou elementos para caracterizar a ocorrência de crimes; além de Malafaia, a PF indiciou outros 49 investigados....

Anônimo disse...

Sem coerções ou prisões, Yunes "esclarece" R$ 10 milhões do PMDB:

24/02/2017

Jornal GGN - O empresário e amigo de Michel Temer, José Yunes, que foi apontado por delação de executivo da Odebrecht como o intermediário de um dos repasses de um total de R$ 10 milhões da empreiteira para as campanhas do PMDB, em 2014, a mando do atual presidente da República, diz que deixou o governo para tentar se defender.

A saída do ex-assessor de Temer do governo foi a sétima baixa do Planalto, no último ano. Foi no dia 15 de dezembro, que Yunes anunciou a sua saída. Conselheiro amigo de Temer há 40 anos, se considerando "psicoterapeuta político" do peemedebista, ocupava a assessoria especial da Presidência.

Ambos mantiveram uma relação de proximidade desde os tempos da graduação, em 1960. A amizade se estendeu por 50 anos, até assumir posto no gabinete pessoal do presidente. Mas duas delações de peso na Operação Lava Jato recaíram sobre a relação.

O ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho delatou um encontro, com a presença do presidente Michel Temer e do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para o repasse de R$ 10 milhões, em caixa 2, da Odebrecht às campanhas eleitorais do PMDB.

O pedido partia, disse o delator, de Temer. Destes, mais da metade, R$ 6 milhões seriam destinados a Paulo Skaf, então candidato do PMDB ao governo de São Paulo, e outros R$ 4 milhões seriam destinados a Padilha para as demais campanhas do partido. A remessa destinada a Padilha teria contado com a ajuda de Yunes. O amigo de Temer recebeu em seu escritório o dinheiro vivo, depois encaminhado ao atual ministro.

A delação de Cláudio Melo Filho foi confirmada pelo próprio presidente da Odebrecht, Marcelo. Ele narrou que o então vice-presidente o convidou para um encontro, no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, onde solicitou a ele os repasses em caixa dois.

Passaram-se mais de dois meses desde que Yunes deixou o Planalto para contar uma nova versão da narrativa. Sem se manifestar à época, quando saiu do governo de Temer, disse apenas, em nota oficial, que seu nome tinha sido jogado "no lamaçal de uma abjeta delação" premiada e criticou a "fantasiosa alegação, pela qual teria eu recebido parcela de recursos financeiros em espécie".

"Não houve caixa dois, nem entrega em dinheiro a pedido do presidente", completava o Planalto.

Mas a manifestação não foi suficiente. Exatamente 70 dias depois, uma nova versão para a história surge. Sem pedido de condução coercitiva ou intimação para prestar depoimento, Yunes teria ido "espontaneamente" à Procuradoria-Gerald a República falar sobre o tema, na última semana.

Disse que, em 2014, em plena campanha eleitoral do partido de seu amigo, Michel Temer, Yunes disse que recebeu um telefonema de Padilha, pedindo um "favor", para que apenas recebesse alguns documentos, que seriam retirados por um emissário. Sem supostos mais questionamentos, o empresário teria concordado.

Ainda, Yunes, ao receber em seu escritório os R$ 4 milhões, em um "pacote", não olhou o que, na verdade, se tratavam os tais documentos. Disse que o lobista Lucio Funaro apareceu em seu escritório "trazendo um pacote". (...)

Anônimo disse...

Sinto cheiro de coxinha com nariz de palhaço e cabo dá panela enfiado no......