sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

TRT reafirma obrigação de negociações coletivas no caso de demissões das sete Fundaçõs extintas no RS

O Tribunal Regional Eleitoral reafirmou, ontem, a sentença anterior que obriga o governo estadual a realizar negociações coletivas antes de levar adiante demissões nas sete Fundações extintas por decisão da Assembléia.

O TRT negou todos os recursos do governo.

11 comentários:

Anônimo disse...

Quero ver pagar as rescisões. Não tem dinheiro nem pra comprar a bolsinha que fica rodando em Brasília! Sim, porque vai abrir as pernas pro Ministério dá Fãzenda e abrir mão de todos os direitos tributária do RS que já deviam ter ajuizado, vai dobrar a dívida e vender todos os ativos. Ai meu povo em 10 anos o estado vai estar falido de novo (Vide Brito que vendeu patrimônio, mas não resolveu bosta nenhuma) e não vai ter mais um penico pra pedir esmola!

Anônimo disse...

PARABÉNS AO TRE,JÁ QUE VAMOS PERDER O EMPREGO,MESMO CONCURSADOS,QUE SEJA PELA PORTA DA FRENTE E COM DIGNIDADE,NÃO A MODA LOUCO COMO QUER O SARTORI.O FURO É MAIS EMBAIXO.

Anônimo disse...

Polibio,

TRT não é o Tribunal Regional Eleitoral com afirma o texto.

Apenas corrija, não há necessidade de publicar meu comentário.

Anônimo disse...

Precisamos lutar imediatamente pelo fim da Justica do Trabalho, uma excrescencia que apenas privilegia o (mau) empregado e onera os cofres publicos com salarios e diarias exorbitantes a Juizes do Trabalho, que julgam-se a ultima bolacha do pacote, sempre dispostos a disseminar suas filosofias esquerdistas.

Somente essa porcaria de pais aqui possui esse lixo de Justica do Trabalho!

Anônimo disse...

O Brito vendeu patrimônio e adianta sim se os governos que vieram depois dele foram populistas e gastaram o dinheiro todo..por isso que o estado hoje tá assim é talvez não precisava fechar as fundações mas como está quebrado e um mal necessário!!!

Anônimo disse...

Esse país é uma piada mesmo. O órgão é extinto e ainda tem que "negociar" com a curriola do cafezinho. Se o cabide de emprego fechou, paga os "dereito" da catrefa e fim de papo. Competentes e esforçados como são esses funcionários, não terão a menor dificuldade em se recolocar no mercado.

elias disse...

9:45

Emprego ou encosto remunerado?

Anônimo disse...

Que barbaridade, que agilizem então essas negociações. esse TRT é seletivo e corporativista, vê se foram ajudar o pessoal do polo naval ou agora recentemente o pessoal da seven boys. esse sim que trabalhavam verdadeiramente. Sartori faça logo essas negociações.

Anônimo disse...

Nao e epoca de se perder emprego coloquem esses servidores na parte administrativa dos bombeiros...brigada militar...policia civil...agentes penitenciario....no minimo acresenta- se 20% no policiamento

Anônimo disse...

Nao e epoca de se perder emprego coloquem esses servidores na parte administrativa dos bombeiros...brigada militar...policia civil...agentes penitenciario....no minimo acresenta- se 20% no policiamento

Anônimo disse...

Absoluamente correto o anonimo 10:08. Justiça do Trabalha é uma cloaca que sequer deve ser chamada de justiça, pois este vocábulo merece um uso mais respeitoso. É um câncer corporativista e esquerdista, míope e tendencioso, que necessita ser extirpado do cenário da nação. Em nada colabora e apenas atrapalha. Os poucos casos de efetivas injustiças, como no mundo inteiro, poderiam ser tratadas em varas especiais da justiça comum. Esta merda só aqui.