sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Sindicatos continuam a deixar população sem ônibus para trabalhar

Ainda perdura em Porto Alegre a prática de sindicatos de trabalhadores de empresas de transporte público de passageiros discutirem o dissídio e a população não poder ir trabalhar, como aconteceu em mais uma paralisação realizada nesta feira, das 4h30 às 8h30, nas linhas de ônibus da Zona Norte e na parte da Leste da Capital.

Segundo os líderes do movimento, é uma forma de pressionar os patrões para conseguir maiores índices de reajustes no dissídio da categoria. Mas com isso, quase 140 mil passageiros foram  prejudicados com o impedimento de saída dos ônibus da Sopal, Nortran, Navegantes e VAP. A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), realocou ônibus da Carris para os eixos das avenidas Baltazar de Oliveira Garcia, Assis Brasil e Sertório até o Centro Histórico, enquanto as empresas Presidente Vargas e Estoril deslocaram coletivos para o eixo da Avenida Protásio Alves. Também foram liberados o transporte de passageiros em pés.

A pergunta que não quer calar é: Até quando o povo vai sofrer por falta de medidas enérgicas para preservar o direito de quem realmente paga os salários destes grevistas.

9 comentários:

Anônimo disse...

Quando os donos de empresas de ônibus pararem de agir como feitores de escravos!

Anônimo disse...

É mais uma categoria que deveria ser proibida de fazer greve, se não gosta, não trabalhe na área. Categorias em greve que o único prejudicado é a população.

Anônimo disse...



Até os pilantras dos empresários, repassarem o dinheiro que o povo paga, aos empregados do transporte coletivo, simples assim.

A máfia da ATP, que tem isenções fiscais milionárias, só embolsa a grana e ainda quer por a culpa nos idosos e estudantes que não pagam ou pagam meia-passagem, como justificativa de novo aumento.

Ou as coisas andam como devem ser, ou o bicho vai pegar, o povo está cansado em especial os trabalhadores que pagam a conta, já que os empresários são meros repassadores deste dinheiro, isto é claro quando não embolsam os impostos e de tempos em tempos são "anistiados" pelo poder público, óbvio que com grande interesse dos partidos políticos nas "doações de campanha" visando manterem-se no poder pra extorquir o povo, que como disse antes, está de saco cheio destas pilhagens no seu bolso.




Anônimo disse...

Solução: fim de sindicalismo no Brasil que já virou sinônimo de palhaçada e mortes

Anônimo disse...

- TENHA PACIÊNCIA, POLÍBIO!!! ISSO VAI ACABAR, QUANDO LULA FOR ELEITO, NO PRIMEIRO TURNO, EM OUTUBRO/2018!!! ATÉ LÁ, O POVO VAI TER DE AGUENTAR O TRANCO!!!

Cambirella Cam disse...

"O bicho vai pegar" Seu Políbio! Ainda bem que o Senhor já tem suas aposentadorias e pode ficar em casa no ar condicionado escrevendo contra os grevistas!

Carlos Mota disse...

Políticos covardes; juízes cagões; povo dominado. Esta combinaçãoo forma o estado de calamidade moral, social, financeira e politica do Brasil.
Ou voltam as baionetas para colocar ordem nesta pocilga ou vamos todos virar bandidos.

Anônimo disse...

COM O PT NO PODER,ESTES SINDICATOS SÓ PIORARAM AS COISAS.NÃO TEM QUE EXISTIR SINDICATOS NO BRASIL.É UMA MÁFIA.ASSIM COMO PT QUE NÃO PASSA DE UMA MÁFIA,UMA QUADRILHA.TEM QUE EXTERMINAR OS SINDICATOS E OS PETISTAS QUE NEM SE EXTERMINA RATOS.

Anônimo disse...

Duas sugestões mais simples.

Basta a prefeitura colocar multas altíssimas para as empresas de ônibus se houver interrupção no transporte.

No final das contas este problema é da empresa que não controla seus empregados por uma política salarial atrativa.

Se os salários são baixos e existe impossibilidade de mudar o cenário a empresa deve promover cadastro de reserva e promover alta rotatividade para manter a ordem.