Sindicatos continuam a deixar população sem ônibus para trabalhar

Ainda perdura em Porto Alegre a prática de sindicatos de trabalhadores de empresas de transporte público de passageiros discutirem o dissídio e a população não poder ir trabalhar, como aconteceu em mais uma paralisação realizada nesta feira, das 4h30 às 8h30, nas linhas de ônibus da Zona Norte e na parte da Leste da Capital.

Segundo os líderes do movimento, é uma forma de pressionar os patrões para conseguir maiores índices de reajustes no dissídio da categoria. Mas com isso, quase 140 mil passageiros foram  prejudicados com o impedimento de saída dos ônibus da Sopal, Nortran, Navegantes e VAP. A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), realocou ônibus da Carris para os eixos das avenidas Baltazar de Oliveira Garcia, Assis Brasil e Sertório até o Centro Histórico, enquanto as empresas Presidente Vargas e Estoril deslocaram coletivos para o eixo da Avenida Protásio Alves. Também foram liberados o transporte de passageiros em pés.

A pergunta que não quer calar é: Até quando o povo vai sofrer por falta de medidas enérgicas para preservar o direito de quem realmente paga os salários destes grevistas.