PIB do Banco Central mostrou recessão trágica de 4,3% em 2016

É a herança maldita deixada pelo governo Dilma Roussef, PT. O IBC-Br é uma espécie de prévia do PIB calculado pelo IBGE.

O IBC-Br, proxy mensal do PIB, caiu 0,26% na passagem de  novembro para dezembro, excetuada a sazonalidade, de acordo com os dados divulgados há pouco pelo Banco Central. O resultado, que ficou em linha com a nossa projeção e com a mediana das expectativas do mercado, de queda de 0,20%, foi explicado pelo fraco desempenho do setor varejista no final do ano passado. Assim, o IBC-Br acumulou queda de 0,4% no quarto trimestre ante os três meses anteriores, inferior à nossa projeção de recuo de 0,6% do PIB no período. Na comparação inter-anual, houve retração de 1,8%, fazendo com que o índice acumulasse queda de 4,3% em 2016. A queda do IBC-Br na margem em dezembro soma-se à sinalização dos demais indicadores coincidentes que apontaram para continuidade do enfraquecimento da atividade econômica no final do ano passado. 

Já para o primeiro trimestre deste ano, economistas ligados a bancões, como o Bradesco, projetam ligeira alta de 0,1% em relação ao quarto trimestre de 2016, impulsionada pelo desempenho bastante positivo do setor agropecuário.


5 comentários:

Anônimo disse...

CATÁSTROFE DE TEMER FOI AINDA PIOR E A ATIVIDADE RECUOU 4,55% EM 2016:

17/02/2017 - Brasil 247

A economia brasileira foi destruída pelo golpe parlamentar de 2016; de acordo com dados do Banco Central, divulgados nesta quinta-feira, 16, a retração econômica produzida por Michel Temer e Henrique Meirelles foi ainda mais aguda, com queda de 4,55%; desastre do ano passado se soma ao de 2015, quando PMDB e PSDB se aliaram para promover a política do "quanto pior, melhor" para derrubar Dilma Rousseff; nesses dois anos em que o Brasil foi governado pelo golpismo, a economia encolheu 10% e demitiu 5 milhões de trabalhadores....

Anônimo disse...

DEVEM MARTELAR A CULPA DO PT OU VÃO DIZER QUE É COISA DO TEMER

Anônimo disse...

OS NÚMEROS DA GESTÃO DE LULA GARANTEM SUA CANDIDATURA À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EM 2018!

Os indicadores econômicos de Michel Temer são pífios!

Na gestão de Lula, o PIB do Brasil aumentou de 500 milhões de dólares para 2 trilhões de dólares!

VOLTA LULA!!!!

Anônimo disse...

Como o Ministro da Justiça defendeu Aecím:

Mello deu um "nada consta" ao aeroporto do Titio

16/02/2017 - Conversa Afiada

Na TV Afiada "Tucanos estão mais bindados que o PMDB" percebe-se que foi por sugestão do Mineirinho (da lista de alcunhas da Odebrecht) que o MT, da mesma lista, nomeou o mineiro Carlos Velloso, ex-ministro do STF, novo ministro da Justiça.

Até pouco tempo, Velloso era o advogado de Aécio Neves em uma ação que se originou da Lava Jato.

Mas, tem também o inesquecível aeroporto da cidade de Cláudio, o Aecioporto, o famoso aeroporto do Titio!

Por sugestão de amigo navegante mineiríssimo, o Conversa Afiada recupera, do Estadão, texto de julho de 2014 sobre o inesquecível episódio:

Aécio defende obra, mas não diz se usou aeroporto

22/Julho/2014

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, voltou a defender nesta terça-feira, 22, a construção, pelo governo de Minas, de um aeroporto em terreno desapropriado de um parente seu no município de Cláudio, no interior do Estado, quando chefiava o Executivo estadual.

A campanha tucana convocou a imprensa, mas Aécio se recusou a responder a perguntas feitas pelos jornalistas (...) O candidato fez apenas uma declaração sobre a legalidade da obra, sem dizer se fez ou não uso do aeroporto, que fica a 6 quilômetros da fazenda de sua família.

Reportagem publicada no domingo pelo jornal Folha de S.Paulo revelou que o governo mineiro gastou quase R$ 14 milhões na construção do aeroporto de pequeno porte na área que pertenceu ao tio-avô de Aécio, Múcio Guimarães Tolentino, ex-prefeito de Cláudio. Conforme a reportagem, um dos filhos de Múcio, Fernando Tolentino, disse que o próprio Aécio, seu primo, usa a pista sempre que visita a cidade.

(...) O tucano apresentou dois pareceres assinados pelos ex-ministros do Supremo Tribunal Federal Carlos Ayres Britto e Carlos Velloso para defender que não houve ilegalidade na obra.

O parecer de Carlos Velloso foi enviado de Portugal e é datado de 22 de junho de 2014. A avaliação de Velloso, que ele classifica de “breve opinião legal”, é constituída por apenas quatro parágrafos. No parecer, ele afirma que o procedimento para a construção do aeroporto na cidade de Cláudio foi “correto”. (...)

Anônimo disse...

ENGENHEIRO EXPLICA A SÉRGIO MORO QUE TRÍPLEX NÃO É DE LULA
LULA MARQUES:

16/02/2017

247 - O engenheiro civil Genésio da Silva Paraíso prestou depoimento, em Curitiba, na segunda-feira, como testemunha no processo em que procuradores da Lava Jato acusam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, juntamente com dona Marisa Letícia, de ser “proprietário oculto” de um apartamento triplex no Guarujá.

Genésio da Silva Paraíso acompanhou, pela OAS Empreendimentos, as reformas feitas pela empresa Talento no tríplex. O engenheiro foi mais uma testemunha que explicou ao juiz Sérgio Moro e aos procuradores do Ministério Público Federal no Paraná que a reforma teria sido feita pela construtora porque Lula e Dona Marisa seriam potenciais clientes para uma eventual compra do tríplex, e que o que lhe foi solicitado foi a reforma para tornar o imóvel mais atrativo para uma possível compra da família do ex-presidente.

Os pagamentos para a Talento pela reforma foram feitos pela OAS através de transferência bancária, dentro do procedimento padrão, sem nenhuma tipo de ocultação.

E que os recursos para a reforma saíram do caixa normal da OAS Empreendimentos, não da OAS Construtora, empresas diferentes, com caixas diferentes, mesmo sendo do mesmo grupo. A OAS Construtora é a empresa que tem contratos com a Petrobrás, e que nunca ouviu falar de um “caixa-geral” de propina na OAS, como afirma na acusação o Ministério Público, afirmação que está na denúncia mas que não foi confirmada por nenhuma testemunha do processo, sequer as testemunhas de acusação.

Genésio afirmou ainda que, embora OAS Empreendimentos não tenha feito esse tipo de obras antes, elas são algo normal no mercado de São Paulo, onde já tinha visto reformas desse tipo sendo feitas por construtoras. Por fim, esclareceu que a cobertura estava no estoque para venda da construtora, e que foi retirado da prateleira quando a família do ex-presidente tornou-se um potencial comprador, já que havia interesse até de marketing para a OAS que Luiz Inácio Lula da Silva, que deixou a presidência da República com uma aprovação recorde, viesse a ser proprietário de uma unidade de um de seus empreendimentos.