quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Panamá destina US$ 2,4 milhões para investigar fraudes da Odebrecht


O governo do Panamá destinou uma verba de 2,4 milhões de dólares para ampliar as investigações sobre atos ilícitos da empresa brasileira Odebrecht, acusada de pagar suborno em troca de contratos naquele país.

Segundo levantamento das autoridades do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, a Odebrecht pagou no Panamá, entre 2010 e 2014, mais de 59 milhões de dólares em troca de contratos avaliados em mais de US$ 175 milhões. Segundo a procuradora-chefe, Kenia Porcell, 17 pessoas são acusadas pelo escândalo no Panamá, incluindo três ex-funcionários de alta hierarquia, oito empresários panamenhos, cinco de outras nacionalidades, e um funcionário de um banco privado.

5 comentários:

Anônimo disse...

FHC desmonta tese da Lava Jato sobre acervo presidencial de Lula:

09/02/2017 - Jornal GGN

Em depoimento em Curitiba, ex-presidente do PSDB explica como funciona a manutenção do acervo presidencial e recebe por três vezes pedidos de desculpas do juiz Sérgio Moro (...)

FHC afirmou que a troca de presentes entre presidentes e líderes de nações são formais e acabam por gerar um acervo presidencial. De acordo com uma lei federal, cuja regulamentação foi estabelecida durante o governo do ex-presidente, o acervo pessoal é considerado de interesse público no Brasil. Assim, o fato é que, de acordo com FHC, o acervo de cada ex-presidente acaba por se tornar “um problema” para o ex-mandatário, já que este passa a possuir uma coleção de objetos que são de interesse público mas que geram demandas pessoais de depósito. "Um problema imenso. Como o acervo é de interesse público, você (qualquer ex-presidente) apela para doadores, porque você é obrigado a manter a coleção de objetos, mas não tem recurso para manter., explicou Fernando Henrique".

FHC afirmou que faz uso da Lei Roaunet para manter o acervo que lhe cabe, e que tal material pode até, se o ex-presidente quiser, ser vendido, após ser oferecido, antes, ao Tesouro Nacional.Em que pese tal opção legal, Fernando Henrique disse: "Claro, eu não vendi nada". Lula também não vendeu.(...)

FHC esclareceu que o acervo não incide legalmente como patrimônio pessoal. Quando perguntado se isso é adicionado ao imposto de renda, ele esclareceu que tal material não entra na sua declaração de bens, e que o valor desses objetos é histórico, não patrimonial. E que empresas, como a Odebrecht, contribuíram para seu Instituto, não havendo nada de ilegal nessas contribuições, ao contrário do que faz crer as acusações dos procuradores da Lava Jato, feitas exclusivamente contra o ex-presidente Lula. FHC confirmou que houve uma reunião com empresários quando ainda era presidente, e que dela participou Emílio Odebrecht, mas que não se pediu doações nessa reunião, apenas foi verificado se havia espaço para a criação de um instituto. Na ação a que responde o ex-presidente petista, os procuradores do Ministério Público Federal do Paraná acusam Lula de receber vantagens indevidas da construtora OAS, já que a empreiteira pagava 21 mil reais por mês para o armazenamento do acervo presidencial em estoques na empresa Granero.

As declarações de Fernando Henrique Cardoso confirmam o que diz a defesa do ex-presidente: o acervo presidencial não são bens pessoais, não configurando vantagem indevida a sua manutenção, que é uma obrigação legal dos ex-presidentes.

Reverência
No início da sessão, o Juiz Sérgio Moro deu um "bom dia especial ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso". Moro também agradeceu FHC duas vezes pelo depoimento e se desculpou com o ex-presidente tucano em três oportunidades, pelo tipo de pergunta que FHC tinha que responder e pela duração do depoimento. Fernando Henrique Cardoso foi tratado como "excelência" e se desculpou por "falar demais". Moro disse que o depoimento foi "muito interessante".

Ainda em juízo, FHC explicou como montou sua base de apoio, o chamado "presidencialismo de coalizão", formando com aliados uma base parlamentar maior do que aquela com a qual o ex-presidente foi eleito. Ele disse não ter conhecimento nem de cartelização, nem de casos de desvios citados por Nestor Cerveró. "Um presidente não tem como saber de tudo", afirmou FHC. "Um ex-presidente ouve muita maledicência de um contra o outro que não pode levar ao pé da letra'".

Anônimo disse...

Metodologia desenvolvida e aperfeiçoada pelos odebrecht só pode dar nisso: investigações, prisões, processos, julgamentos,... Taí o marcelinho quase completando 2 aninhos de xilindró. E não pia!
Tem que acabar com essa empresa criminosa!

Justiniano disse...


A maior e mais escandalosa empreiteira do mundo, abocanhou todo dinheiro do BNDES e passou com o Lula a tiracolo a propor negócio e maracutaias em todos países amigos bolivarianos.

Agora a Odebrecht entrou na mira da justiça americana e poderá sofrer sanções e multas milionárias. Muitos dos seus diretores são passíveis de por os pés nos EUA e serem presos.

Anônimo disse...

odebrecht amigao do molusco

Anônimo disse...

odebrecht aliada do pt anos e anos a fio... hum...