terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Negado pelo Tribunal de Justiça pedido de intervenção federal no RS

Os desembargadores do Órgão Especial do Tribunal de Justiça negaram pedido do Sindicato dos Técnicos Científicos do RS, o Sintergs, de intervenção federal no Estado. O julgamento ocorreu ontem durante a primeira sessão do Órgão Especial de 2017.

Na avaliação da entidade, o Judiciário “demonstrou contradição”. “Ao mesmo tempo em que manda o governo pagar salários dos servidores públicos em dia, quando entidades buscam na Justiça forma para que tais determinações sejam cumpridas, o TJ traz argumentos políticos e administrativos para não tomar a decisão cabível”, afirmou o Sintergs em nota.

5 comentários:

Leo disse...

Toma xibungada! Sartorão da Massa neles!

Anônimo disse...

O sindicato de qualquer categoria,e em qualquer tempo e lugar,é o exemplo excrachado do corporativismo, que numa visão distorcida, coloca sempre a sociedade à mercê dos interesses de classe.Nunca, em lugar nenhum, um sindicato ajudou ou beneficiou o todo e o bem, apenas querem e pedem sempre mais,insuflando o confronto de classes e radicalizando posições. São entidades nocivas e inúteis.

Anônimo disse...

Alguém acreditava que isso pudesse acontecer? Tipo de ação que só serve para atravancar o judiciário. Parece que o governador não paga por birra. Não paga porque não tem dinheiro,porque incharam o estado de uma forma tal que isso um dia iria acontecer.

Anônimo disse...



Eles levaram o deles, e estão cagando e andando para os servidores do Executivo.

O dinheiro só não existe, para estes servidores.

O pilantra do Polenta, confiscou o 13° dos trabalhadores e ficou por isto mesmo, não adianta entrar na justiça.

Anônimo disse...

Existe alguém que ainda acredita na Justiça????

Eles são dá Justiça recebem o salário em dia, com eles ninguém se mete, e não dá mesmo.

Eles passaram em um concurso para a Justiça, e os outros, bem, os outros serão sempre os outros, aqui e acolá, são as chamadas CASTAS INFERIORES e que se danem. É isso que pensam os Justiceiros togados.