terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Massacre nas ruas de Vitória, no Espírito Santo, já contabiliza 68 mortos

Na região metropolitana de Vitória, capital do Espírito Santo, a violência generalizada já matou 68 pessoas e tomou conta de tudo e de todos. 

O massacre registrado nas ruas da Grande Vitória, que abrange as cidades de Vitória, Serra, Cariacica e Vila Velha, é sem precedentes. O número de corpos na Capital é cinco vezes maior do que a capacidade do Departamento Médico Legal de Vitória, que possui 12 gavetas frigoríficas.  O Ministro da Defesa, Raul Jungman, disse que o efetivo militar para atuar no Estado em policiamento ostensivo, aumentou para 1,2 mil militares das Forças Armadas e da Força Nacional de Segurança, a partir desta terça.


4 comentários:

Anônimo disse...

FORÇA NACIONAL DE SEGURANÇA É A SOLUÇÃO CERTO?


ERRADO!

Vejam só essa:

Policial da Força Nacional tem arma roubada em assalto em Porto Alegre
Agente da Força Nacional de Segurança foi assaltado em recepção de hotel.
Ele teve uma pistola .40 levada por dupla, que roubou dinheiro e pertences.

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2017/02/policial-da-forca-nacional-tem-arma-roubada-em-assalto-em-porto-alegre.html

07/02/2017 07h28 - Atualizado em 07/02/2017 09h30

Mr. Lincoln disse...

FORA TEMER.
O PT é mais que um partido, é uma seita oriunda da Teologia da Libertação. Aqueles que a detestam, criaram uma CONTRA SEITA de obcecados inimigos, o “santo ofício Anti PT”, que após porejar nas redes sociais, deve andar se reunindo nos seus sabás, em templos bizarros, à luz de velas de sebo de defunto nas sombras da lua nova, exorcizando e criando estratégias "anti petralha".
Enquanto isso, o "presidente não eleito" da república, tenta colocar no supremo tribunal do país um correligionário próximo, "in pectu", para tentar salvar as cabeças dos honoráveis Jucá, Renan, Sarney, Aécio, a sua própria e a de muitos mais, da inevitável, fatal, guilhotina de Janot e Moro.
Ao que parece, vem chegando a hora dos "petralhas" lavarem a égua...

Anônimo disse...




75 foi a última contagem.

Os corpos estão no chão empilhados, não tem gavetas para todos.

Foi contratada uma câmara fria as pressas, para poder armazenar.

Mesmo com o Exército nas ruas desde ontem, os tiroteios seguiram durante a madrugada.

O efetivo da Força Nacional, é muito pequeno para dar conta, são 80 homens que estavam trabalhando no RJ e 120 que estavam fazendo curso em Brasilia na Base do Gama.

Os homens que viriam para o RS, não virão mais e parte dos que estão no AM serão chamados.

A PM do RJ está se articulando para uma greve também, o terreno é fértil e que tem como pano de fundo, a recente retirada de direitos destes servidores pelo governo Pezão.

É apenas o inicio de um estopim, que vai ser uma reação em cadeia, se o governo Temer não se mexer vai desestabilizar-se.

A situação é tão grave que até o alto-comando da corporação apoia as manifestações dos familiares dos PMs.

As exigências;

- Melhores condições de trabalho;
- Melhoria em frota sucateada;
- Reajuste salarial: correção de 7 anos de perdas pela inflação, mais ganho real de 10%;
- Auxílio-alimentação;
- Adicional por periculosidade;
- Adicional por insalubridade;
- Adicional noturno
- Plano de saúde
- São obrigados a pagar viatura quando ela bate, mas não recebem adicional por serem também motoristas de viatura.
- Fazem revezamento de coletes muitas vezes indo para casa sem colete
(alegam risco no caminho casa - trabalho - casa).

O estopim, além das necessidade acima expostas, foi a prisão de um sargento, que negou-se a devolver no fim do turno de serviço o colete balístico que usava, pois corria risco de vida no trajeto



Anônimo disse...

É guerra civil. O governo federal deve decretar guerra. O Brasil mata mais que qualquer guerra declarada.