domingo, 12 de fevereiro de 2017

Fecomércio de MT é acusada de usar dinheiro para defesa da Maçonaria

Dez sindicatos do setor econômico de Mato Grosso, ligados a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio), denunciaram que a entidade estaria utilizando recursos próprios no pagamento de advogados para defender a Maçonaria Grande Oriente do Estado (G.O.E).

O pedido de informação à Fecomércio foi feito no dia 23 de janeiro pelos sindicatos e eles exigem uma convocação urgente de assembleia geral para o dia 20 de fevereiro, onde decidirão o afastamento do presidente da entidade, Hermes Martins da Cunha, por um prazo de 180 dias. Um relatório foi elaborado pelos sindicatos e apontou mais outras sete irregularidades cometidas nesta entidade. Entre elas, a contratação de aluguel de uma rádio pertencente a Acudam (Associação Comunitária Cuiabana para Cultura e defesa Ambiental), que nunca entrou em atividade.

14 comentários:

Anônimo disse...

Grande informação que em nada aqui pra nós do RS interessa.
Fodam-se.
Nós já temos merdas suficientes para nos abastecer.

Anônimo disse...

olha o olho que tudo ve, hehehe- misericordia

Anônimo disse...

essa maçonaria tupinninquim me da vergonha, kkkkkkk, ta mais pra quadrilha q maçonaria

Anônimo disse...

Infelizmente esta Instituição secular foi tomada por pessoas aproveitadoras.

Centenas acabram se desligando por não concordarem com estas atitudes.

O jogo de poder, de medalhas, de reconhecimento ou não de outras do mesmo fim, fizeram por atropelar seus próprios ensinamentos.

Esperamos que mude. Pois a verdadeira Maçonaria ainda é aplicada principalmente por membros que não mais estejam vinculados a nenhuma 'sigla'.

Anônimo disse...

NOS ÚLTIMOS ANOS ESTA VALOROZA ASSOCIAÇÃO BUSCOU MAIS A QUANTIDADE DO QUE A QUALIDADE.

Anônimo disse...

Essa maçonaria é um bando de véios broxas q já foram cornos ehehheh

Anônimo disse...

http://descobrindoasverdades.blogspot.com.br/2013/04/a-maconaria-igreja-de-laodiceia-e.html

Anônimo disse...

ISSO NÃO DENIGRE A INSTITUIÇÃO, PELO CONTRÁRIO SERVE PARA ACOMODAR AS MELANCIAS.

A GRANDE MAIORIA DE SEUS MEMBROS SÃO PROBOS E ANSEIAM POR UMA SOCIEDADE MELHOR.

Fernando Bender disse...

E por que eles precisam de defesa?

Anônimo disse...

José Padilha: mecanismo afasta inteligentes e honestos.

http://www.oantagonista.com/posts/jose-padilha-mudancas-nao-podem-interferir-na-propina

Anônimo disse...

A maçonaria é uma GRANDE FARSA que abriga toda a sorte de corruptos, especialmente nossos políticos enredados na Lava Jato. Essa camarilha pensa que entrando para a maçonaria estarão garantindo sua imunidade com a Justiça. Em muitos casos estão mesmo, porque a nossa justiça brasileira, em sua grande maioria, está nas mãos de maçons. MAÇONARIA É SINÔNIMO DE ATRASO E PROTECIONISMO. Dizem eles que defendem os bons costumes ..., os que os favorecem, é claro.

Anônimo disse...

Perguntar não ofende: Nesse montante inclui passagens para Brasilia para protestar contra a ex-presidente Dilma, onde a maçonaria em peso viajou para Brasilia?

Anônimo disse...



Justos e perfeitos, não vão com tornozeleira nas sessões.

A falcatrua vem de longa data;
18/09/2015
A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso (Fecomércio) anunciou nesta sexta-feira que instaurou uma comissão para investigar o envolvimento de diretores e servidores da instituição na “Operação Sodoma”. Na última terça-feira, o presidente licenciado da Fecomércio, Pedro Nadaf, foi preso e a assessora dele, Karla Cecília de Oliveira Cintra, teve uma tornozeleira eletrônica instalada.
Além deles, o diretor do Sesc (Serviço Social do Comércio) no Rio de Janeiro, Maron Emile Abi Abib, foi ouvido na capital carioca. O Sesc é um órgão vinculado a Fecomércio.
A comissão começará os trabalhos de investigação na próxima segunda-feira. Não foi informado quais as possíveis punições dos dois envolvidos. “A Fecomércio de Mato Grosso, a partir do conteúdo das matérias veiculadas na imprensa, considerou importante elucidar os fatos com uma séria apuração interna”, disse Hermes Martins, presidente em exercício do órgão.
Em relação a Pedro Nadaf, a Fecomércio explicou que ele está licenciado desde 1º de setembro. Ele é presidente da instituição há mais de uma década, tendo licenciado durante o período em que ocupou cargos públicos.
FAZENDA NO PANTANAL
A Fecomércio é suspeita de ter sido usada por Pedro Nadaf para a prática de crimes. Investigações da “Operação Ararath”, da Polícia Federal, apontam como suspeita a compra de venda de uma fazenda no Pantanal pelo Sesc.
A propriedade pertencia ao empresário Rodolfo Aurélio de Campos, um dos sócios da Contrutora Encomind. Ele já foi denunciado pelo Ministério Público Federal e é investigado em outros inquéritos sigilosos.
De acordo com reportagem da Revista Istoé, o Sesc pagou em 2011 cerca de R$ 20 milhões pela fazenda. Contudo, avaliações de especialistas apontam que a propriedade custaria, no máximo, R$ 2 milhões.
A suspeita é de que a compra ocorreu com dinheiro desviado dos cofres públicos. A Operação Sodoma foi deflagrada na última terça-feira pela Delegacia Fazendária.
Foram presos os ex-secretários de Indústria e Comércio e da Casa Civil, Pedro Nadaf, e de Fazenda, Marcel de Cursi. O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) teve a prisão decretada e se apresentou apenas nesta quinta-feira. Ambos são suspeitos de comandarem um esquema de fraudes em incentivos fiscais no Estado. De acordo com as investigações, a mando de Silval, os ex-secretários cobravam propina para concederem incentivos ilegais no Estado.
ÍNTEGRA DA NOTA
Tendo-se em vista a citação de nomes de colaboradores da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso-Fecomércio/MT, como supostos envolvidos direta e indiretamente na Operação Sodoma, é instalada na instituição, através de portaria, uma comissão interna para investigação de ordem administrativa. A decisão foi tomada pelo presidente em exercício, Hermes Martins da Cunha, no uso de suas obrigações legais, visando preservar o nome e a credibilidade da Federação.
“A Fecomércio de Mato Grosso a partir do conteúdo das matérias veiculadas na imprensa, considerou importante elucidar os fatos, com uma séria apuração interna”, disse Hermes Martins. Ele informou que o início dos trabalhos ocorrerá na próxima segunda-feira, 21 de setembro, tendo a comissão 30 dias de vigor para desempenhar suas funções, e o caráter será sigiloso, no período dos trabalhos.
Hermes Martins deixou claro que a direção da Fecomércio/MT tomou conhecimento do ocorrido, envolvendo nomes de seu quadro, somente através da própria imprensa. “Não houve até o momento qualquer comunicado oficial por parte de órgãos envolvidos com a investigação”, frisou.
O presidente em exercício destaca também, que oficialmente a instituição desconhece o conteúdo das acusações que pesam sobre o seu presidente licenciado, Pedro Nadaf, que antes mesmo do dia que ocorreu o cerceamento da sua liberdade, já havia solicitado o afastamento do cargo, sendo oficializado o ato no dia 1º de setembro.

Anônimo disse...

A Lava Jato da Maconaria...instituicao de homens probos e livres...kkkkkkkkk