Estudantes da UFSM estariam trabalhando em regime de escravidão

O Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul pediu explicação a Universidade Federal de Santa Maria sobre suposto trabalho análogo a escravidão, dentro de um projeto de intercâmbio realizado com a International Farmers Aid Association (IFAA), dos Estados Unidos.

Segundo a denúncia, alunos do intercâmbio
trabalham em carga horária excessiva e em temperaturas perto de zero grau.  A IFAA já está notificada pelo MPT-RS e foi exigido que incluam em seus contratos a garantia de rescisão sem multa e a manutenção de passagens e passaportes para os alunos voltarem. A UFSM informou que todos os seus convênios internacionais com universidades e institutos de pesquisa são em caráter bilateral. Ou seja, com troca de professores, técnico-administrativos e estudantes em colaboração técnico-científica.

8 comentários:

Marlene Ducatti disse...

O trabalho nas fazendas é longo e cansativo, principalmente no inverno severo do hemisfério norte. A meninada atual quer o que? Será que esperavam sombra e água fresca no intercâmbio de cursos de agronomia nos states?
Fiquem sabendo que o motivo da riqueza dos americanos é a dedicacão ao trabalho, acima de tudo. Não tem molesa.

Anônimo disse...



Nada demais, apenas executavam o trabalho rural.

Este tipo de serviço não é para qualquer filhinho-de-papai bunda mole.

Caso existam dúvidas sobre o trabalho rural, que perguntem a qualquer peão de fazenda ou pequeno produtor rural.



Anônimo disse...

MANDA ESSES ESTUDANTES COMUNISTAS, ANTI-CAPITALISTAS, PARA A CHINA COMUNISTA, QUE LÁ É 18 HORAS DE TRABALHOS DIÁRIOS COM -20°C, POLUIÇÃO E GANHOS MINIMOS, ONDE NEM SABEM O QUE É JUSTIÇÃO DO TRABALHO!

Anônimo disse...

Nao esta satisfeitos que voltem para o Brasil e parem de encher o saco.

Anônimo disse...

Não gostou, volte! Quando fiz a minha pós-graduação trabalhava mais de 15 horas por dia e hoje só tenho a agradecer a oportunidade que me foi dada.

Emmanuel Carlos disse...

Mas ... que lindeza! O MPT tem autoridade até nos Estados Unidos!
De fato, a sem-cerimônia vai ao ridículo nessa republiqueta!

Mordaz disse...

Diz para o MP notificar o Donald Trump.

Anônimo disse...

As familias urbanas ,nos EUA , costumam dividir os afazeres domésticos com os filhos, como arrumação das camas, limpeza da casa, cozinhar , lavar a louça , manutenção do jardim. Os empregados domésticos são raros e caros. No meio rural , os empregados também são poucos , caros e raros. A maior parte do trabalho é feito pela família , pai, mãe e filhos. Desde pequenas , as crianças são educadas para ajudar na manutenção da casa e no empreendimento da família. Nas fazendas, a exigência é ainda maior , pois todo o trabalho é realizado basicamente pela familia. Depois da escola, os filhos trabalham,e muito, ajudando os pais,nas atividades de agricultura e pecuária, mesmo nos invernos, que são rigorosos.!!!