Construtoras alegam falta de capital de giro e interrompem obras da Copa em Porto Alegre

Três obras ainda remanescentes das promessas do ex-prefeito José Fortunati para a Copa do Mundo, que aconteceu há três anos, precisam de quase R$ 5 milhões da prefeitura para que sejam retomadas. Os recursos têm de sair do caixa único da administração municipal para que as construtoras responsáveis pelas passagens de nível da Avenida Ceará, Avenida Cristóvão Colombo e Avenida Anita Garibaldi possam prosseguir com os trabalhos.

A dívida, que não é paga desde o ano passado, refere-se aos reajustes dos contratos, entre outros pagamentos.

As construtoras alegam que estão descapitalizadas. Quando a prefeitura repassar os recursos atrasados, as empresas asseguram que poderão voltar a ter capital de giro para investir nas obras.