quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Para colunista da Folha, plano de Temer para os presídios é paliativo

Opinião do colunista da Folha de São Paulo Guaracy Mingardi a respeito da intenção do governo federal, apresentada ontem pelo presidente Michel Temer, de autorizar os militares a auxiliarem os Estados na guarnição dos presídios:

“O emprego das Forças Armadas na segurança tem muito apelo popular, mas é dispendioso e pouco eficaz. Vários governos usaram esse recurso quando a situação apertou. Todas as vezes, a situação continuou igual. Solução mais racional seria a Força Nacional, que está pulverizada.

O caso mais emblemático ocorreu no governo FHC, quando o Exército invadiu morros cariocas. Os traficantes apenas mudaram provisoriamente os pontos de droga.

Essas operações mais criam problemas que os resolvem. A proximidade com o mundo do crime já levou alguns militares a atitudes criminosas. O maior escândalo foi em 2008, quando um oficial do Exército entregou três jovens do morro da Providência para traficantes rivais, que os executaram”.

7 comentários:

Anônimo disse...


O exercito é treinado para matar o inimigo.

Qualquer ação diferente disto, sempre vai dar errado.

Anônimo disse...



Destas ações midiáticas, tanto do governo federal quanto do estadual, são medidas paliativas.

o exercito deveria cumprir o seu papel, defesa do território nacional, contra ameaças externas.
Se entram armas e drogas, livremente pelas fronteiras, significa que pode entrar além das armas componentes de um outro exercito e invadirem o país.

Unknown disse...

Mais uma vez vamos tratar fratura exposta com Band Aid!!!

Anônimo disse...

beleza.. o exercito deveria entregar sempre os traficantes para as facções rivais..assim eles se acabam mutuamente e melhora o psis...

Anônimo disse...

México fez, teve que incluir depois a marinha e nada funcionou.

Militares não são treinados como tatu para procurar em buracos ou tuneis.

Anônimo disse...

QUE PLANO ?

Anônimo disse...

Claro que é paliativo, é o bombeiro apagando um grande incendio do desgoverno anterior?