segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Ex-presidente do Banco Central assegura que país vai crescer 1,4% este ano

Apesar do desempenho muito ruim das vendas, a indústria automobilística voltou a aumentar a produção no fim de 2016. Em relação ao mesmo trimestre de 2015, a alta foi de cerca de 15% na fabricação de veículos leves, aponta Francisco Lopes, diretor da Macrométrica, ouvido pelo jornal Valor Econômico.

Diante dos sinais de que esse setor bastante importante para a produção manufatureira voltou a respirar, o ex-presidente do Banco Central melhorou sua estimativa para o crescimento da economia em 2017 para 1,4% e dá como certo que o país sai da recessão neste primeiro trimestre, considerando a variação do PIB em relação aos três meses imediatamente anteriores. "Não há a menor chance de o número não ser positivo", afirmou.

O FMI, por outro lado, voltou a rebaixar a projeção de crescimento para o Brasil e agora espera expansão de apenas 0,2% este ano, de acordo com relatório divulgado nesta manhã. Na previsão anterior, feita em outubro, a expectativa era que o PIB do país fosse avançar 0,5% em 2017.

Para 2018, o Fundo manteve a previsão de crescimento do PIB em 1,5%. 

3 comentários:

Fernando Bender disse...

Este salafra vendeu informação do dólar quando era presidente do BC, quando o FHC não conseguiu mais segurar a cotação. Apenas 3 bancos ficaram na posiçao contrária e quebraram, Excel, Marka e FonteCidam, com mais velocidade do que sadia e aracruz quebraram em 2008.
Abraços!

Anônimo disse...

Logo se ve que eles não entendem nada de economia.

Nélio disse...

Chico Lopez, Chico Lopez... escândalo Marka-FonteCindam! Ele era o presidente do BC na época, e havia a suspeita que ele tivesse traficado informações privilegiadas. Foi nesse escândalo que Salvatore Cacciola fugiu do país logo após ter recebido um habeas corpus do ministro Marco Aurélio Mello. Como terminou essa história, Editor?