terça-feira, 31 de janeiro de 2017

ATP quer elevar preços das passagens de ônibus para R$ 4,30

O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr (PSDB), vem mantendo reuniões formais e informais com empresários da Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP), que querem elevar os preços das passagens de ônibus de Porto Alegre para R$ 4,30. O preço astual é de R$ 3,75.

A EPTC apresentou ao prefeito três estudos, levando em conta o resultado do dissídio dos rodoviários que tem data-base em 1° de fevereiro. No primeiro cenário, sem reajuste dos rodoviários, a tarifa ficaria em R$ 3,95. Com um reajuste de 5,15% parcelado em duas vezes (fevereiro e agosto), o valor seria de R$ 4,00. Por fim, em caso de reajuste de 5,15% pago de forma integral em fevereiro, o valor seria de R$ 4,05.

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte (StetPoa) pedem o INPC do período (6,58%) mais um ganho real de 3,5%.

5 comentários:

Anônimo disse...

Tira o "plus tarifário" da incomPTência do exterminador do futuro, intervenção no transporte público da capital.

E ajusta as passagens para o seu verdadeiro valor!

Anônimo disse...




Mas as passagens não iriam baixar?

Pelo menos foi o que o gurizão Júnior disse, na intervenção da venda de passagens antecipadas?

Ou os empresários do transporte coletivo de PoA, o conven$$eram do contrário?

Ou ainda, utilizando a tática do Polenta, de medir as reações da população?

O problema do oficceboy do Aécio, é que ele enfia os pés pelas mãos.
e juntamente com o aumento das passagens, quer desempregar os cobradores dos o nibus.

Ele vai é arrumar incomodação, e das grandes, com greves, protestos e outras manifestações no inicio do ano letivo.

O certo é que não vai deixar os seus amigos empresários na mão, afinal de contas, eles gastaram muita grana com a sua campanha.


Anônimo disse...

Uma máfia, que enquanto a licitação não ficou nos seus moldes, não se candidatou, ficou responsável pelo transporte em Porto Alegre. Empresas conquistaram linhas ilegalmente.
Assumiram as melhores linhas da Carris e pioraram sensivelmente o serviço, inclusive com ônibus em condições muito inferiores ao da Carris.
A passagem aumentou um percentual muito maior do que a inflação. O ar condicionado, justificativa para aumento muito superior que o da inflação,não chegou. E o pior, os horários, em algumas linhas, foi reduzido para a metade. Agora pressionam para acabar com o emprego dos cobradores. É o preço do monopólio dos transportes em nossa capital. Da mesma maneira que ocorreu com os táxis, a saída é permitir a concorrência dos trajetos.

Anônimo disse...

Acabem com as gratuidade. Esse custo deve sair do orçamento da prefeitura, Não do bolso do trabalhador.

Anônimo disse...



Aumento liquido e certo! O resto é mamama.