terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Artigo, Tito Guarniere - Presídios em fúria (II)

Senhores, a menos que todos estejamos tomados de torpor, estamos em guerra. O caos dos presídios é uma questão de defesa nacional e soberania do Estado. O Estado brasileiro, polvo gigantesco cujos tentáculos alcançam tudo que está à vista, entretanto, nas cadeias nacionais está rendido, entregou-se aos bandidos. É como se um país estrangeiro tivesse invadido as nossas fronteiras.

Está mais do que na hora de propor um debate sério, como seja o da entrada urgente no teatro de guerra e no campo de batalha, das forças armadas. Repito o que já disse: Exército, Marinha e Aeronáutica custam dinheiro demais ao país para se ocuparem apenas dos exercícios regulares de preparação de uma guerra que (graças a Deus) não está no horizonte.

Mas se nenhum país belicoso nos ameaça, internamente o crime organizado, as quadrilhas do tráfico dominam militarmente as prisões brasileiras, e os amplos espaços das nossas cidades. As forças armadas não podem continuar assistindo de binóculo, à distância, o desenrolar sangrento da guerra suja. Ponha-se o efetivo brasileiro para cumprir tarefas e missões, ajudar o Estado brasileiro a retomar a soberania nos territórios ocupados.

CLIQUE AQUI para ler na íntegra.

11 comentários:

Anônimo disse...

Reflexões de uma batedora de panela
Por Paulo Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

Vânia olhou para a sua panela tramontina roxa ali guardada no fundo do armário da cozinha.

Foi um olhar em que havia ao mesmo tempo melancolia e frustração.

Não era uma panela qualquer. Era aquela que Vânia usara nos protestos contra Dilma. Escolhera-a por ser leve e barulhenta. Perfeita, portanto, para a ocasião.

A panela remetia a Dilma. Vânia, naqueles dias de panelaço, abominava Dilma.

Dilma era um obstáculo para o Brasil, para os brasileiros. Quando gritava “Fora Dilma”, Vânia tinha certeza de que bradava pelo progresso nacional.

Vânia era gerente de uma loja da Riachuelo. O dono da cadeia dissera à imprensa que, Dilma saindo, as coisas logo se ajeitariam na economia nacional. Questão de dias.

Era o que todo mundo dizia, aliás. Vânia lia a Veja toda semana. Não perdia um Jornal Nacional. Deixava horas e horas a GloboNews ligada na tevê de sua casa. No trânsito, a rádio de seu carro oscilava entre CBN e Jovem Pan.

Considerava-se, modéstia à parte, uma mulher muito bem informada.

Todo mundo que ela admirava na imprensa concordava em que Dilma tinha que cair.

Vânia pegou a tramontina roxa nas mãos e como que voltou no tempo. Sentia que estava fazendo história ao participar dos panelaços. Com a panela nas mãos, naquelas noites, era tomada de uma euforia quase sexual.

Tinha que dar certo - e deu. Dilma enfim caiu.

Todos os problemas agora estavam resolvidos.

Ou não?

Ali, na sua cozinha, tramontina na mão, naquele momento de rememoração e reflexão, já se tinham passado mais de seis meses desde a queda de Dilma.

Mas e o paraíso prometido, onde fora parar?

Vânia batera a panela contra a corrupção, mas Temer e a turma que tomara o poder não significavam exatamente um choque de ética política.

Na economia, as coisas não podiam estar piores. Vários colegas de Vânia de gerência na Riachuelo tinham sido demitidos nos últimos dias. Cada vez que o chefe a chamava ela tinha um tremor. Achava que chegara a sua hora de ser despedida.

Naquele dia do reencontro com a tramontina roxa, Vânia pensou também em Dilma.

Será que ela era mesmo aquele monstro que pintaram?

Vira algumas entrevistas com ela depois do impeachment. Chamou sua atenção a forma como ela, Dilma, se referia aos pobres. Era uma simpatia que parecia ser genuína, e que como que tinha o poder de contagiar.

“Um país tão rico com tantos pobres não pode dar certo”, Vânia se pegou um dia refletindo. Isso nunca aconterera antes.

Vânia passara a ver Dilma de outra forma.

Teria sido vítima de uma trama de homens corruptos e muito ricos, como ela dizia?

Talvez sim, talvez não, pensou Vânia, panela na mão.

De repente, num impulso irresistível, atirou a tramontina contra a parede.

E lhe ocorreu que caso encontrasse Dilma na rua lhe daria um abraço.

Não um abraço de desculpa, mas um gesto de solidariedade de mulher para mulher. “Acho que me usaram para te pegar”, talvez dissesse.

A história acima é uma mistura de ficção leve e realidade brutal.

Anônimo disse...

Verdade. Infelizmente está é a situação que os governos petistas plantaram. Dizem que Dilma deixou de repassar 86% do orçamento dos presídios, assim complica mesmo. O certo é que Michel Temer tem enfrentado a situação e se esforçando para resolver a questão a despeito da torcida contra dos esquerdopatas.

Anônimo disse...


Falam tanto da ditadura militar, dos militares.
ora os civis fazem melhor...

Virem-se seus brasileiros...

Esqueçam os militares. Virem-se e lixem-se. Isso aqui em 20 anos estará abaixo do Paraguai e |Bolívia
Virem-se.... kkkkkk

Anônimo disse...

Brasileiros mais uma vez forma enganados, o que está aí no governo é o continuísmo.

Pedir um debate sério é impossível, pois antes de irem para este debate já fazem as contas de quantos pixulecos a situação poder render.

Anônimo disse...

Esse petralha comunista ladrão do dinheiro público, queria que em 7/8 meses fosse consertado o que a quadrilha desgraçou em 13/14 anos. É o anônimo das 16,44.

Anônimo disse...

Dúvido que militares queiram estar lado a lado com políticos, somente se levarem muito pixuleco.

Ariel Peres disse...

ESTÁ ACONTECENDO O ÓBVIO: POPULAÇAO SEM EDUCAÇÃO ; LEIS ESTRAMBELHADAS; POPULAÇAO DESARMADA; PRINCIPIOS MORAIS DESTRUIDOS (PARABÉNS AOS PROGRAMINHAS DO BIAL E DOS FAUSTÕES DA VIDA......QUERIAM O QUÊ?.....chamar FFAA é aberração! Se vocês não sabem, FFAA em todo o mundo, existem para DESTRUIR!!!!!! escolas existem para CONSTRUIR!!!!
FAÇAM QUE NEM OS CRETENSES....TIREM ESSA CORJA DO PODER!!!!

Mr. Lincoln disse...

O Brasil é a Nova Colômbia. Os chamados três poderes não tem poder, quem manda são os barões da droga. Só não percebe quem é burro ou iludido!

Anônimo disse...

Este aí deve ser de Portugal.

Anônimo disse...

PMDB não tava junto?

Anônimo disse...

Na realidade Michel Temer tem enfrentado a situação com dinamismo, apesar da herança maldita da petralha vermelha Comunista.