Justiça do Trabalho pede explicações sobre demissões na TVE

Ao contrário do que sugere título de reportagem de hoje do Correio do Povo, as explicações pedidas pela Justiça do Trabalho não dizem respeito a todas as extinções de Fundações, mas apenas ao caso da TVE.

Assim é que a Fundação Cultural Piratini Rádio e Televisão terá um prazo de 24 horas para se manifestar sobre a decisão do juiz do Trabalho Gustavo Pusch, da 18ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, que concedeu tutela de urgência para que o governo do Estado se manifeste em relação a pedido do Sindicato dos Jornalistas do RS e do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Radiodifusão e Televisão do RS. Os sindicatos pediram a sustação imediata de quaisquer demissões até que seja instaurado o processo de negociação coletiva. 

A decisão da Justiça do Trabalho não é capaz de suspender nada - por enquanto.

6 comentários:

Anônimo disse...

também tão pedindo para os militares assumirem o comando do Brasil - URGENTE

Anônimo disse...

O que faz a Justiça do Trabalho pelos milhares de trabalhadores da iniciativa privada que já perderam seu emprego? Esqueci, este assunto não dá IBOPE. Falar em justiça é associar "legislar em causa própria", sempre em favor do corporativismo.

Anônimo disse...

Justiça Robin Hood, tudo suspeito, já que os juizes são todos petralhas

Anônimo disse...

Vamos propor o seguinte o Judiciário abre mão deste valor no seu orçamento que recebe e com isso mantem a TVE !

Nao seria uma boa ???????????????

Luiz Inácio disse...

Esta Justiça(?) do trabalho é uma bosta.
Estou há quase 4 anos com uma açãozinha de merda e nenhum destes marajás da toga trabalhista dá por finalizado.
E ainda mentem com os tais de "esforço concentrado"; pura balela desta gente que se acha acima de tudo; se acham superiores porque conseguiram um cargo onde não precisam dar satisfação á ninguém e fazem as coisas conforme o seu humor do momento.

Anônimo disse...

Nos EUA tem justiça do trabalho?