Celulose Riograndense é autuada por vazamento de lixívia. Qualidade da água do Guaíba pode ter sido comprometida,

A Fepam, S, decidiu autuar a empresa Celulose Riograndense (CMPC), localizada em Guaíba, pelo lançamento de efluente sem tratamento no Lago Guaíba. A qualidade da água pode ter sido alterada, mas isto é verificado.

Um equipe de emergência da Fundação constatou o vazamento de lixívia na fonte da linha de processo da Planta 1 e as primeiras medidas emergenciais de estancamento foram adotadas pela empresa, na noite de quarta-feira. Responsáveis pela CMPC estimaram que aproximadamente cem metros cúbicos tenham vazado no leito do Guaíba.


Conforme os técnicos, o vazamento ocorreu por falha no sistema de contenção.

3 comentários:

Anônimo disse...

LÓGICO QUE DIRÃO QUE A ÁGUA PODE SER CONSUMIDA. NÃO VÃO DIZER A VERDADE NUNCA.

Anônimo disse...

Lago Guaíba? Desde quando lago tem correnteza. recebe água de afluentes e desemboca em uma grande lagoa, a dos Patos? Não embarca nessa asneira de lago Guaíba...

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.