Artigo, Humberto Trezzi, Zero Hora - Um ex-presidente acuado

A ilustração ao lado é escolha do editor e não tem nada a ver com qualquer opção do autor do artigo.


No curto espaço de um ano, Luiz Inácio Lula da Silva sofreu uma transformação. De "viva alma mais honesta deste país" - frase que pronunciou em janeiro - o ex-presidente se tornou uma figura carimbada nos tribunais. Gastou mais de 300 dias no preparo de defesa jurídica. Em 2016 se tornou réu três vezes: por obstrução da Justiça, corrupção e tráfico de influência, em três processos diferentes.

No primeiro, acusado de tentar comprar o silêncio do delator e ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. No segundo caso, por ter aceito que a empreiteira OAS pagasse armazenamento de seus bens presidenciais e também reformas num apartamento triplex que ele teria reservado para comprar, no Guarujá (SP). No terceiro episódio, o ex-presidente é acusado de pressionar o BNDES a favorecer a empreiteira Odebrecht em contratos em Angola. A empresa teria retribuído o favor com dinheiro a um sobrinho de Lula.

Outros processos vêm aí. Em duas semanas Lula foi denunciado duas vezes: por corrupção e lavagem de dinheiro na compra de um terreno por parte da Odebrecht (que seria para o Instituto Lula) e de um apartamento. E por tráfico de influência na escolha da empresa sueca Grippen como fornecedora de 36 caças para a Força Aérea Brasileira (FAB).

CLIQUE AQUI para ler tudo.

12 comentários:

Anônimo disse...

Nos EUA, Power Point como o de Lula fez Suprema Corte anular o julgamento:

16/12/2016

Jornal GGN - Na ação por danos morais movida contra o procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol, a defesa do ex-presidente Lula apontou que o uso de apresentação em Power Point pelo Ministério Público, inserindo o réu numa situação de culpa irrefutável antes mesmo de uma decisão da Justiça, fez a Suprema Corte dos Estados Unidos anular o julgamento.

Segundo a defesa de Lula, a Lava Jato copiou exatamente a mesma estratégia ao denunciar Lula no caso triplex. A força-tarefa de Curitiba convocou uma coletiva de imprensa para colocar o ex-presidente como o "comandante máximo do esquema de corrupção na Petrobras". Nos Estados Unidos, também foi um procurador que violou o direito à presunção de inocência.

"No caso usado como referência (State of Washington x Edward Michael Glasmann), a Suprema Corte Estadunidense anulou a decisão condenatória e determinou que o acusado fosse submetido a novo julgamento, justamente pela indevida utilização dos slides, abalando a presunção de inocência do acusado e impedindo que o réu exerça o direito constitucional do fair trial e do due process of law."

O Tribunal concluiu que "nenhum motivo pode existir para a apresentação deste slide a não ser inflamar preconceitos e paixões. Ele reduz substancialmente o direito do réu a ter um julgamento justo."

Sobre o episódio, a defesa de Lula selecionou alguns trechos de literatura estrangeira: "Um julgamento justo certamente implica um julgamento onde o promotor representando o estado não joga fora o prestígio do seu cargo... e a expressão da sua própria crença de culpa na balança contra o acusado" e "Embora o promotor tenha liberdade para arguir inferências acerca das provas, ele deve “buscar sua convicção baseada exclusivamente no conjunto probatório e na razoabilidade."

Dallagnol é processado por danos morais, numa ação da ordem de R$ 1 milhão. A defesa alegou que não é "o papel de um membro do Ministério Público Federal, que deve sempre respeitar as instituições e zelar pelo fiel cumprimento da lei", fazer denúncias para "julgamentos midiáticos ou para o enxovalhamento público de qualquer cidadão. As ofensas são extremamente graves e demandam reparação integral dos prejuízos causados."

Anônimo disse...

Como Moro protegeu Temer de Cunha?

"... não há qualquer notícia do envolvimento do Exmo. Sr. Presidente da República ​..."

16/12/2016 - Conversa Afiada

O amigo navegante se lembra das referências ao "MT" nos grampos do Sérgio Machado e a escandalosa menção à grana acertada na salinha da Base Aérea de Brasília.

Bastaria isso para o Juiz Imparcial de Muritiba (que fica na Bahia e não no Paraná. Quá, quá, quá!) desconfiar do "MT", segundo a lista de alcunhas da Odebrecht.

Mas, não foi esse o caso...

Depois de demonstrar que Moro blindou Temer e a Rádio Navalha tratar da matéria com a usual sobriedade, o Conversa Afiada reproduz trechos de um artigo de Jefferson Miola:

​Por que Moro anulou as perguntas do Cunha sobre Yunes e Henriques?

Jeferson Miola

Num dos processos em que é réu na Lava Jato, Eduardo Cunha arrolou para testemunho de defesa, dentre outros, seu sócio golpista Michel Temer.

Em despacho de 28 de novembro de 2016, o juiz Sérgio Moro anulou 21 ​( !!! - PHA) ​das 41 perguntas preparadas por Eduardo Cunha para a oitiva de Temer: considerou treze “inapropriadas” ​(sic) ​e oito sem “pertinência​ (sic)​ com objeto da ação penal”.

No grupo das “impertinentes”, estavam as perguntas 35, 36 e 37, que se referiam a José Yunes – histórico dirigente do PMDB, super amigo de mais de meio século de Temer e assessor especial da Presidência que se demitiu do cargo ocupado no Planalto depois da publicidade da delação do diretor da Odebrecht Cláudio Melo Filho:

- 35: “Qual relação de Vossa Excelência [Temer] com o Sr. José Yunes”?;

- 36: “O Sr. José Yunes recebeu alguma contribuição de campanha para alguma eleição de Vossa Excelência ou do PMDB?”;

- 37: “Caso Vossa Excelência tenha recebido, as contribuições foram realizadas de forma oficial ou não declarada?”.

Cláudio Melo Filho detalhou que um dos pagamentos pedidos por Temer, de R$ 4 milhões, “ocorreu entre 10 de agosto e o final de setembro de 2014 na Rua Capitão Francisco,

​... ​Jardim Europa, sede do escritório de Advocacia José Yunes e Associados”.

As perguntas 31 e 34, consideradas “inapropriadas” por Moro, se referiam a João Augusto Henriques, empresário-lobista do PMDB que está preso desde setembro de 2015 por envolvimento na corrupção na Petrobrás:

- 31: “Vossa Excelência conhece o Sr. João Augusto Henriques?”;

- 34: “Vossa Excelência tem conhecimento se houve alguma reunião sua com fornecedores da área internacional da Petrobrás com vistas à doação de campanha para as eleições de 2010, no seu escritório político na Avenida Antônio Batuira,

​..., ​em São Paulo/SP, juntamente com o Sr. João Augusto Henriques?”.

Na delação, o diretor da Odebrecht Márcio Faria citou João Henriques como participante de reunião no escritório de Temer, com a presença do próprio Temer, para acertar as propinas para o PMDB, tal como Cunha insinuou na pergunta 34, inclusive com a mesma riqueza de detalhes sobre data e local de encontros: em 2010, no escritório do Temer!

No despacho que justificou a anulação de mais da metade das perguntas do Cunha, justamente aquelas que incriminam Temer, Moro abdicou da condição de julgador e atuou como advogado de defesa, usando argumentos para proteger e absolver Temer por antecipação:

[1] “apesar da afirmação [de Cerveró] de que teria procurado o então Deputado Federal Michel Temer para lograr apoio político para permanecer no cargo de Diretor da Petrobrás, não há qualquer referência de que a busca por tal apoio envolveu algo de ilícito ou mesmo que a conversa então havida tenha tido conteúdo ilícito” [sic]; e

[2] “não há qualquer notícia do envolvimento do Exmo. Sr. Presidente da República nos crimes que constituem objeto desta ação penal” [sic].

​(...) ​

Moro não age sempre com a mesma “parcimônia” processual ​ ...

​(...)

Anônimo disse...

Vai pra cadeia, e com ele toda a esperança dessas parasitas que se beneficiaram do assalto que fizeram no país.

Luiz Inácio disse...

Deixa de ser idiota, seu imbecil das 17:34h.
Quer dizer que o corno ladrão que tu defende, casado com aquela mocréia botoxida tem que ser inocentado, mesmo sendo um grande ladrão???
Qualé, cara, tu é viado e dá teu rabo para os petralhas ou assiste eles comerem tua mulher???
VAGABUNDO, SEM VERGONHA, DEMENTE, IMBECIL, SÚCIA, ORDINÁRIO, ACÉFALO, BUCÉFALO.

Anônimo disse...

O problema é que se vão esperar sairem todas as denúncia contra o homem mais honesto do Brasil antes de determinarem sua prisão pode que ele morra de velho antes.

Aaron DiBonna disse...

lula nao tente nenhuma gracinha contra doutor moro ou vais se arrepender

Anônimo disse...


PeTralha fedido, bolivariano, traidor da Pátria Brasil.

É muito nojento ver um lacaio defendendo um bandido assassino (do Celso Daniel, prefeito de Santo André), ladrão contumaz, sujeito imoral, bêbado,ignorante e seboso.

E na hora certa,tu serás caçado, arrancado da toca e linchado.

Aguarde. O que é teu está guardado. Seu FDP.

ATENTO disse...

DALLAGNOL BURRO OU COBRA MANDADA
para melar julgamento e botar dinheiro no bolso de Lula

BURRO OU COBRA MANDADA

Anônimo disse...

E nos EUA um pilantra como luladrão já estaria no corredor da morte!!!

Anônimo disse...


Lularápio, PeTralha fedido, bolivariano,

O MAIOR INIMIGO DO BRASIL,

BURRO RECALCADO,

CHINELÃO RECALCADO,

QUE FIASCO, CHOROU LÁGRIMAS DE CROCODILO NA TV, FALSAS, PRA DAR PENINHA NAS PESSOAS. COBRA CRIADA.AINDA BEM QUE 80% DO ELEITORADO NÃO CONFIA MAIS NO LULARÁPIO BANDIDO E DEMONÍACO.

Unknown disse...

Só no Brasil ainda está solto!!!

Anônimo disse...

Vermelhinho de merda, só consegue fazer cópia e cola. Tente escrever alguma coisa uma vez na vida pelo menos. A hora de todos vocês chegará. E não tardará!