Análise, João Bosco Rabello, Política no Ar - Sinal de vida

CLIQUE AQUI para ler análise feitas hoje pelos economistas do Bradesco, altamente elogiosas ao pacote de medidas tomadas pelo governo (macro e microeconômicas).


As medidas anunciadas pelo governo acertam na hierarquia do enfrentamento da crise ao priorizar a redução do endividamento de pessoas físicas e jurídicas, sem as quais não é possível reanimar a economia.

O círculo vicioso gerado pelas dívidas que travam a atividade empresarial só pode ser interrompido, no estágio atual, por meio de mecanismos que viabilizem seu equacionamento a longo prazo, combinado com retorno do acesso ao crédito em curto prazo.

No caso das dívidas tributárias, seu equacionamento reabilita as empresas à retomada de créditos básicos à sua sobrevivência e capacidade de investimento, especialmente importante para as pequenas e microempresas que respondem pelo maior número de empregos no país.

A fórmula, que quebra a rotina simplista e viciante do Refis, também é engenhosa, na medida em que premia os adimplentes ao tempo em que socorre de forma responsável os devedores.


A oxigenação do BNDES, com o fim do ciclo do crédito farto para eleitos em um regime de capitalismo de Estado, redemocratiza os recursos, além de também criar canais de refinanciamento de parcelas das dívidas.

CLIQUE AQUI para ler mais.

4 comentários:

Anônimo disse...

Tem q fazer um doutorado na França para achar que essas medidas sao algo de concreto. Impressiona a mediocridade das tais cabeças pensantes

Anônimo disse...

É simples de entender.. Meirelles faz politica economica para banqueiro..é competente para banqueiro.. nada entende da economia do país...e se fosse um medico matava o paciente para combater a febre...o defunto fica fresquinho após algumas horas e a febre sumia... fez isso acabou com a economia e sumiu a inflação...Combater a inflação deve ser como médico combate a febre.. com calma e sem matar o paciente...Agora o Temer colhe o resultado disso !!

Anônimo disse...


Aparentemente o grande nó que estrangula a economia são os juros altos.

Nenhuma medida foi tomada para baixar as taxas de juros.

Sem crédito para as famílias (que estão enfrentando um desemprego alto), sem crédito para as empresas, tudo fica mais difícil...

Então vamos esperar para que essas medidas não sejam apenas uma pirotecnia para passar uma boa impressão aos mercados.

Temer não deve esperar se sustentar no poder apenas anunciando medidas paliativas perante os holofotes...

Anônimo disse...

Política econômica para banqueiros é fácil de entender: nunca dantes na história deste país os bancos lucraram tanto como nos governos petistas.