sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Acordo de leniência feito pela Braskem nos EUA expõe corrupção nos governos Lula e Dilma

CLIQUE AQUI para ler, ver e ouvir a reportagem completa, que é extraordinariamente didática e consistente. O título da reportagem é o seguinte: "Acordo de leniência expõe corrupção nos altos escalões dos governos Lula e Dilma".

O Jornal Nacional de ontem a noite voltou a apresentar Lula, Dilma Roussef e seus aliados como membros de uma quadrilha de gatunos insaciáveis, tudo segundo delações feitas nos Estados Unidos pela Braskem (no RS, a Braskem é dona do Polo de Triunfo). Foi uma devastadora reportagem de 11 minutos sobre o acordo da Braskem com os procuradores dos Estados Unidos. Ela deixou claro que a empresa do grupo Odebrecht pagou 50 milhões de reais em propinas para a campanha de Dilma Rousseff, negociados por Guido Mantega.

Leia um trecho:

"Numa das reuniões, a 'autoridade quatro' passou um bilhete, pedindo ao 'executivo um' da Braskem uma contribuição para a campanha de 2010 da autoridade 'número dois' - no valor de R$ 50 milhões.
Segundo o documento, o executivo da Braskem concordou - mesmo sabendo que o dinheiro não iria para a campanha - e seria usado em benefício próprio dos políticos.
Em uma das planilhas do 'setor de propinas' do grupo Odebrecht, encontrada pelos investigadores da Lava Jato no Paraná, consta um valor de R$ 50 milhões.
O valor aparece como 'saldo' em 2012 e 2013, e está relacionado ao codinome 'pós-itália' que, segundo as investigações, há indícios de que seja o ex-ministro Guido Mantega.

A planilha tem ainda outros dois codinomes: 'Itália' e 'amigo'. A Polícia Federal afirma que 'amigo' é uma referência ao ex-presidente Lula e 'Itália', ao ex-ministro Antonio Palocci que, de acordo com os delegados, também era chamado de 'italiano'. Palocci seria o responsável por gerenciar esses pagamentos".

Os americanos não citam nomes, mas é possível identificar cada nome escondido sob a denominação geral de Autoridade número 1 ou 2. A numeração vai até o número 9.

13 comentários:

Anônimo disse...

A Dilma e Lula já foram sucesso.

Agora devem ser presos mais dois ladrões da quadrilha: TEMER e RENAN.

Anônimo disse...

A Justiça será feita! Estes gangster prejudicou milhões e milhões de brasileiros e o país num todo, envolvendo outros países também no maior escândalo de corrupção do planeta.Eles nunca me enganaram.

Anônimo disse...

A ORCRIM e seus asseclas estão à vista para todos verem, finalmente a máscara caiu e não há escapatória. Com certeza devemos isso principalmente à revolução da internet, aos blogs independente e da resistência como tem sido este, do nobre jornalista Políbio Braga, a limpeza será feita e o Brasil será um farol em razão do trabalho realizado. Estes dilapidadores do patrimônio público serão presos e pagarão por seus crimes.

Anônimo disse...

A ORCRIM e seus asseclas estão à vista para todos verem, finalmente a máscara caiu e não há escapatória. Com certeza devemos isso principalmente à revolução da internet, aos blogs independente e da resistência como tem sido este, do nobre jornalista Políbio Braga, a limpeza será feita e o Brasil será um farol em razão do trabalho realizado. Estes dilapidadores do patrimônio público serão presos e pagarão por seus crimes.

Anônimo disse...

Lula e Dilma teriam prisão perpétua nos USA, aqui no Brasil ficam rindo da cara do povo e ainda ganham apoio explícito da mídia amiga em entrevistas ridiculamente dirigidas por jornalistas moralmente descomprometidos com a verdade e a decência. Povo que não tem virtude acaba por ser escravo.

Anônimo disse...

https://www.youtube.com/watch?v=UWRIbpivcN0

Cristiano Zim disse...

Preparar para comentário hipócrita do tipo "Ah, mas no FHC já tinha." em 3, 2, 1...

Anônimo disse...

O Antagonista Rin Tin Tin decodificou todos os números associados a autoridades brasileiras que receberam propina da Braskem para defender seus interesses:
Brazilian Official 1: Lula
Brazilian Official 2: Dilma
Brazilian Official 3: Palocci
Brazilian Official 4: Mantega
Brazilian Official 5: Paulo Roberto Costa
Brazilian Official 6: José Janene
Brazilian Official 7: Romero Jucá
Brazilian Official 8: Renan Calheiros
Brazilian Official 9: Yeda Crusius
Tem gente faltando, claro. Essa turma aí foi citada pelo Departamento de Justiça no acordo da Braskem (e não no da Odebrecht) e apenas para ilustrar alguns episódios do maior escândalo de corrupção da história.
Como sabemos, a delação da Odebrecht atinge mais de 200 políticos.

Fonte site Q Antagonistas

Anônimo disse...

Em 13 anos esse partido praticou o MAIOR ROUBO QUE UM GOVERNO FEZ AO PRÓPRIO POVO, A NÍVEL MUNDIAL...!!! em 1996 eu já havia previsto que esse partido assaltaria o país, assim como os outros partidos através dos tempos roubaram descaradamente. Acontece que esse partido da ética e da honestidade, assim elles pregaram durante 20(vinte) anos, formou uma quadrilha destinada a assaltar os cofres públicos e todos enriquecerem(isso quem falou foi o ex-procurador geral da república).

- PT em 2002 - VAMOS COMBATER A CORRUPÇÃO E MELHORAR A VIDA DO POVO...!!! alguém lembra desse slogam de campanha do PT...?????

Anônimo disse...

PT PEDE INVESTIGAÇÃO SOBRE CAIXA 2 PARA AÉCIO EM 2014:

Advogados de Dilma Rousseff pediram ao TSE que investigue as doações da Andrade Gutierrez para a chapa de Aécio Neves (PSDB-MG) à presidência em 2014; ação se baseia no depoimento que Otávio de Azevedo, ex-presidente da empreiteira, prestou ao TSE em novembro, em que afirmou que, diferentemente do que havia informado, verificou seus recibos e viu que doou para a campanha de Aécio R$ 19 milhões, e não apenas R$ 12,6 milhões, como estava registrado na prestação de contas dos tucanos consultada por ele no site do TSE; na última sexta (16), atendendo a pedido da defesa de Dilma, o vice-procurador-geral Eleitoral, Nicolao Dino, pediu à Procuradoria da República no DF que apure a mudança de versão de Azevedo sobre a propina para a chapa Dilma-Temer; para o PT, Azevedo cometeu falso testemunho a fim de prejudicar o partido.

23 DE DEZEMBRO DE 2016

247 - O grupo de advogados da campanha de Dilma Rousseff pediu ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que investigue as doações da Andrade Gutierrez para a chapa do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à presidência em 2014. A ação se baseia no depoimento que Otávio de Azevedo, ex-presidente da empreiteira, prestou ao TSE em novembro, no âmbito de ação movida pelo PSDB que julgará a cassação da chapa Dilma-Michel Temer por supostas irregularidades na campanha. Nesse depoimento, Azevedo disse que, diferentemente do que havia informado, verificou seus recibos e viu que doou para a campanha de Aécio R$ 19 milhões, e não apenas R$ 12,6 milhões, como estava registrado na prestação de contas dos tucanos consultada por ele no site do TSE. Na última sexta (16), atendendo a pedido da defesa de Dilma, o vice-procurador-geral Eleitoral, Nicolao Dino, pediu à Procuradoria da República no Distrito Federal que apure a mudança de versão de Azevedo sobre a propina para a chapa Dilma-Temer. Para o PT, Azevedo cometeu falso testemunho a fim de prejudicar o partido.

As informações são da Folha de S.Paulo.

"Foi também nesse depoimento que o executivo mudou sua versão e afirmou que, diferentemente do que havia dito antes, não repassou propina para a chapa Dilma-Temer na eleição de 2014 –o que poderia levar à cassação da chapa e, consequentemente, à perda do mandato de Temer.

"Dos R$ 33,2 milhões que doamos ao PSDB [nacional], R$ 19 milhões o partido transferiu para a campanha do Aécio. Não foram R$ 12,6", disse Azevedo. Na verdade, o site do TSE registra R$ 12,7 milhões da Andrade para Aécio.

Na petição ao TSE, o PT classificou a retificação como um "fato de extrema gravidade que pode, em tese, determinar que as contas de Aécio sejam julgadas irregulares", caso fique comprovado que o PSDB não declarou tudo o que recebeu da empreiteira.

"A Andrade Gutierrez teria doado um total de R$ 19 milhões, mas, no site do TSE, somente teriam sido lançados como receita R$ 12,6 milhões, o que significa uma elevada diferença de R$ 6,4 milhões que não se sabe para onde foram e como foram declarados", apontou o PT ao TSE.

À Folha o PSDB confirmou que recebeu da Andrade os R$ 19 milhões, mas afirmou que só uma parte foi enviada diretamente para a campanha de Aécio. Outra parte foi pulverizada entre candidatos parceiros e, por fim, cerca de R$ 1,4 milhão ficou no caixa único do comitê, não sendo possível rastrear sua origem."

Anônimo disse...

Aí Polibio não vais comentar sobre a Brazilian Oficial number 9...!!!

Anônimo disse...

Por que o “furo do ano” virou uma notinha minúscula?

FERNANDO BRITO-23/12/2016

A palavra presepada vem, óbvio, de presépio, mas tem um sentido completamente inverso ao da representação da cena fundamental do cristianismo. Dizem os etimologistas que essa acepção vem dos antigos “presépios vivos” com que se figurava o Advento cristão. Eram toscos, nitidamente fingidos, atores inconvincentes e roteiros atrapalhados.

A Folha, hoje, publica uma matéria que lhe transmitiram, claramente, com um sentido de presepada. Tanto é assim que, aquela que seria a manchete do ano – uma acusação pessoal de Marcelo Odebrecht a Lula – virou um pequeno registro. Nitidamente, faltou munição para “bancar” o suposto furo.

O próprio título – “Em delação, Odebrecht revela estratégia para manter Lula influente” – e, na pequena chamada de capa, afirma que a empresa “diz ter agido para manter a influência de Lula”.

Ok. Partamos do princípio que, de fato, alguém com acesso às declarações de Marcelo Odebrecht à “joia da coroa” das 77 delações da empreiteira – alguém, um dia, por favor, explique como se manteve secreto um esquema que envolvia 77 pessoas dando dinheiro de propina e caixa 2 – deu ao jornal o que ele continha e as provas de que as atividades políticas de Lula eram sustentadas pela empreiteira.

Só quem lê com atenção é que percebe que a suposta e vaga informação é apenas “gancho” para requentar a história do tal “prédio do Instituto Lula”.

O que há ali? Lula “manteria sua influência” com um novo prédio de seu instituto, prédio que, aliás, não é e não foi do Instituto Lula, como a reportagem candidamente registra:

Um ponto a ser esclarecido nas apurações é o fato de a sede do instituto não ter sido instalada no terreno da rua Dr. Haberbeck Brandão, na zona sul, mas em um edifício no bairro do Ipiranga.

Reparem que “pequeno detalhe”: porque o Instituto Lula é onde sempre foi e não é onde lhe compraram um prédio para ser? É algo tão nonsense quanto a história de que o Itaquerão foi “um presente” a Lula. Se eu fosse presidente do Corinthians pediria de volta o dinheiro pago, já que foi “presente”.

Admita-se, por simples exercício, que o prédio foi comprado para isso.Será que Lula pediria para comprar um prédio sem saber qual seria, onde seria, etc? Porque, na versão dos procuradores, Lula não teria achado o prédio adequado. Bem, neste caso só é possível imaginar que ele não tenha pedido que o comprassem ou, no mínimo,que não participou desta história senão para dizer não à cessão do prédio para seu instituto.

Se alguém pediu e a Odebrecht comprou, aqui por engano, não é? Tráfico de influência é solicitar ou obter vantagem indevida por ato de funcionário público. Neste caso, não se apontou solicitação, não se provou obtenção e muito menos localizou-se o ato específico a que ele se referiria.

A história do financiamento de uma campanha em El Salvador, francamente, também falta sustentação para afirmar que vantagens obteria Lula. Quem poderia estar interessada em vantagens – em obras e contratos – em El Salvador era a Odebrecht, não ele. Aliás, não só lá, mas em vários outros países onde andou distribuindo propinas. Ou será que ela corrompeu dirigentes destes países para “agradar Lula”?

Quando o jornalismo parte, sem provas e sem lógica, para montar cenários que “alguém me disse”, agindo como “vaquinha de presépio” da meganhagem jurídica que sabidamente quer “pegar o Lula” o resultado é o que o Houaiss descreve como “espetáculo ridículo, fanfarrice”.
Uma presepada.

Anônimo disse...

A LAVA JATO E O TIO SAM

23/12/2016 - Brasil 247

"Agora é a Odebrecht, mas outras dez empresas brasileiras estão sendo investigadas por autoridades americanas. Entre elas a Petrobrás, a Eletronuclear e outras grandes empreiteiras. Como a Odebrecht,elas também foram sangradas pela Lava Jato e ainda têm muito o que sangrar em acordos de leniência para se livrar de processos que só foram possíveis graças à cooperação dos procuradores brasileiros com as autoridades estrangeiras, realizada em desacordo com as normas da cooperação jurídica internacional, atropelando a autoridade central, que é o Ministério da Justiça e ferindo a soberania nacional", escreve Tereza Cruvinel; "Num tempo em que o sentido real dos fatos é sempre distorcido, o que ouvimos agora são aplausos à 'competência' americana ao deslindar as ações ilícitas internacionais da Odebrecht e da Braskem", acrescenta a jornalista, que prevê: "Em algum futuro, Rodrigo Janot, Sergio Moro e os procuradores da Lava Jato poderão responder por estas ações contra o interesse nacional"...